As coisas estão olhando para cima para o filme de Terry Gilliam, The Man Who Killed Don Quixote. Ontem, na quarta-feira 09 maio de 2018, a corte francesa rejeitou o pedido por Paulo Branco e sua produtora Alfama Films Production para proibir o filme de ser exibido durante a noite de encerramento do Festival de Cannes, no sábado 19 de Maio.

Como tal, Paulo Branco e sua produtora Alfama Films Production têm, naturalmente, visto o seu pedido de indemnização do Festival de Cannes jogado fora, tendo abertamente denegrido o evento na imprensa e nas redes sociais, afirmando que seus organizadores não tinha direito de seleccionar o homem que matou Don Quixote a ser apresentado em Cannes.

A campanha de tentativa de intimidação orquestrada por Paulo Branco e seu filho advogado têm, portanto, foram infrutíferas. O aplicações juiz urgente tem, através desta decisão, confirmou que ao contrário do que os Brancos continuaram a reclamar (entre outros ataques caluniosos e mentiras), o Festival de Cannes nunca se colocou acima da lei nem tem tentado forçar através de uma decisão .

O Festival de Cannes, que em todo o caso manifestou repetidamente a sua lealdade e apoio para os criadores, tem o prazer de ver que a justiça vai permitir que a apresentação deste trabalho, cujo diretor certamente merece vê-lo finalmente apresentado ao público.

Estamos muito satisfeitos que este único – e de certa forma agonizante – trabalho na carreira do grande diretor Terry Gilliam será apresentado pela primeira vez aos jornalistas, os festivaleiros e profissionais de todo o mundo, reunidos no Grande Amphithéâtre Lumière.

Desde terça-feira, cinema recuperou seus direitos. O Festival é um fórum único para a liberdade de expressão. Ele permanecerá assim.